segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Filme: Preto ou Branco

Sinopse: Ao mesmo tempo que se esforça para superar a recente perda da mulher, Elliot Anderson tenta dar o melhor de si a Eloise, a neta que vive aos seus cuidados desde a trágica morte da sua filha. Apesar das dificuldades inerentes à sua condição de viúvo e avô, a criança tornou-se a sua única razão de viver e o que o motiva a continuar. Quando We-we, a avó paterna da criança, o informa das intenções de obter a custódia, Elliot recusa-se terminantemente a aceitar. De um momento para o outro, a pequena Eloise é forçada a dividir-se entre as duas famílias que lutam pela sua atenção e pelo que consideram ser o melhor. Quando a rivalidade entre os dois sexagenários chega à barra do tribunal, eles vêem-se confrontados com algumas das suas crenças e preconceitos mais enraizados.

Resenha: O filme Preto ou Branco já começa fazendo chorar com a morte de Carol, esposa de Elliot e avó de Eloise, uma garota de sete anos orfã de mãe e que mal conhece o pai.
Quando Eloise nasceu sua mãe tinha apenas dezessete anos, ela é fruto de um rápido e proibido namoro com um rapaz seis anos mais velho e viciado em drogas, motivo pelo qual Elliot, um homem rico e bem sucedido, passa a criar esteriótipos e preconceitos com relação aos negros. Porém, quando sua fila morre no parto, ele e sua mulher passam a criar a menina Eloise que nasce negra como a família paterna fazendo com que Elliot reveja seus conceitos. O nascimento de Eloise força uma aproximação entre os avós maternos e paternos, mas é a avó materna quem realmente tenta manter o contato com Wee-Wee, a avó paterna, então quando Carol morre Wee-Wee não confia deixar Elliot cuidando sozinho da neta, os dois começam então uma briga judicial que envolve também Reggie, o pai problemático de Eloise.
Um dos motivos de eu ter gostado do filme é o fato de não engrandecer ou diminuir os problemas de cada personagem. Elliot, apesar de bem sucedido, não consegue lidar com suas perdas e recorre à bebida, porém não reconhece isso. Apesar de ter problemas com Reggie, ele, aos poucos, assume que não tem nada a ver a cor, pois reconhece quão boa é a família paterna da neta, sendo seu pai o único problemático. Já Wee-Wee, por melhor que sejam suas intenções, acredita cegamente nas mentiras do filho viciado, no entanto é uma mulher forte e batalhadora que sempre lutou muito pela família e acredita que Eloise estará melhor em sua casa apenas por ter uma família grande e com crianças que podem dar mais atenção à menina.
Eloise é uma personagem à parte, ela é meiga, feliz e sonhadora vivendo ao lado do avô, mas sente falta dos pais o que a torna madura quando necessário. Não quer magoar a família paterna, mas também não quer se afastar do avô com quem morou a vida toda, portanto se sente muito confusa diante da briga dos dois.
Preto ou Branco é um filme que trata de questões familiares de forma comovente e, ao mesmo tempo, leve, questiona valores, crenças e esteriótipos dos dois lados da moeda. 

Um comentário:

  1. Obrigado por escrever a resenha. Como todas as histórias existem pontos bons e maus, mas definitivamente, Black or White é um agradável filme , com um roteiro sólido, uma magnifica interpretação, excelente trilha sonora dirigida por Terence Blanchard, uma encenação benéfica e de grandes atores. Toda uma demonstração que o cinema de entretenimento não é incompatível com a qualidade. É um drama filme recomendado.

    ResponderExcluir

Espero que tenha gostado do post e sinta-se à vontade para dar sua opinião aqui e voltar sempre que quiser. Pode também deixar o link do blog para que eu e outros leitores possamos conhecer um pouco de você.
Muito obrigada pela visita <3