sexta-feira, 31 de julho de 2015

Playlist #15: Orphan Black



Olá, viram que essa semana tenho seguido certinho o roteiro que preparei? Espero continuar pontual nas próximas.
Então hoje é dia de playlist porque acho que na sexta é dia de música mais que qualquer outro dia. Na quarta já fiz uma resenha da série Orphan Black e hoje estou trazendo a trilha sonora da série para que é bem variada.
E amanhã terá um assunto novo no blog, pra acompanhar as postagens é só curtir a página do facebook: Menina-Moça

1.Bad Girls - M.I.A


2.Elephant - Tame Impala



3.Lovefool - The Cardigans



4.Centipede - Knife Party



5.I'm Bitch - Meredith Brooks



6.Le Petite Mort -  Cœur de pirate

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Não, não e não!


Eu não vou para escola nenhuma. Não vou. Não mesmo.
Minha mamãe me colocou a força dentro do carro, mas fugi três vezes e me escondi na dispensa da cozinha enquanto ouço ela gritando pela casa. Não me interessa se ela diz que vai ser legal. Não vai. Não e não.
Ninguém perguntou se era isso que eu queria. Adultos não levam em consideração o que uma criança quer, eles só querem saber deles e de mais ninguém. São mandões e egoístas e nós, crianças pequenas, temos só que obedecer, mas eu não. Se não quero, não faço. Deve ter alguma lei que proíba obrigar uma criança de ir para a escola contra sua vontade.
"Alice, eu não estou brincando." grita mamãe de algum lugar da casa. E quem disse que eu estou?
Quando a porta se abre e mamãe me puxa para fora começo a gritar e pular, tento correr, mas ela me agarra e me carrega aos berros para o carro novamente, dessa vez ela é mais rápida e consegue me prender na cadeirinha e trancar a porta antes que eu corra.
Continuo gritando enquanto o carro está em movimento e todos lá fora me olham quando o carro para em algum sinaleiro, mas eu não ligo. Cuidem das suas vidas, sou só uma criança, tenho direito de tentar me impor. Pelo menos acho que tenho algum direito assim.
Quando chegamos na tal escola, penso que só tem um jeito de não entrar: me segurando com todas as forças na porta do carro e não largar por mais que mamãe me puxe. Não entendo porque tem tanta gente olhando, tem uma menina jogada no chão da entrada aos berros e um menino sendo puxado pelos pés de dentro de uma van, não sou só eu e se tem tanta criança com medo, boa coisa essa escola não é.
"Vamos, Alice. Você vai gostar. Terão amiguinhos novos." Os velhos já está bom, obrigada, de nada.
"Vai aprender a escrever com uma professora muito boazinha." Não, não e não, mamãe. E o que eu quero? Não sou só uma criança, sou um ser humano que merece respeito. Eu vi isso num filme, mas não sei direito o que é respeito, mas parece bom.
Me desespero quando ela consegue me soltar da porta e começo a me espernear junto com outras crianças muito espertas que sabem os perigos da escola.
Uma sala, socorro, socorro, socorro, preciso de ajuda, alguém me salve.
A mamãe me coloca no chão e tenta falar comigo, mas não paro de gritar e chorar.
"Nãããão." uma menina de cabelo loiro do meu lado consegue gritar mais alto que eu e, no susto, eu paro de chorar para olhar para ela. Mamãe aproveita para me levar até a sala. Ela fala com uma moça com uma roupa bem colorida e cheia de desenhos de bichinhos que me chama a atenção. A moça se abaixa e sorri um sorriso muito bonito para mim e me sinto melhor agora.
"Então você é a Alice?" digo que sim bem baixinho, ainda estou com medo dessa sala estranha. "Alice, eu sou a tia Clara, tudo bem?". Aceito sua mão e vou com ela até uma mesinha amarela que fica junto com outras mesinhas coloridas. Sento numa cadeira pequena para o meu tamanho e olho insegura em volta. Tem uma menina de cabelos bem enrolados e grandes na minha frente, ela tem cor igual de chocolate e falo isso para ela que sorri e diz que meu rosto parece de urso porque é muito redondo e eu também acho isso engraçado porque eu gosto de chocolate e ela de urso então acho que gosto dela e ela de mim.
Olho para a porta e mamãe sorri também e me dá tchau. Fico com um pouco de medo, mas dou tchau para ela também.
A menina que estava chorando do meu lado lá fora senta do meu lado "Não precisa chorar," eu falo com a mão no seu ombro "depois nossas mamães vem buscar a gente." ela sorri também.
Acho que a escola não é tão ruim assim.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Orphan Black


Olá, hoje, quarta-feira, é dia de série. Por incrível que pareça para mim mesma, achei mais uma série para assistir, como se já não bastasse todas as que estou acompanhando. Mas enfim, essa série me causou muita curiosidade, então vou contar um pouco sobre ela.
Há algum tempo acho que vi alguma propagando falando sobre Orphan Black, mas só uns dias atrás tive a curiosidade de assistir de tanto que aparecia nas indicações da netflix.
Para quem ainda não conhece nem ouviu falar, Orphan Black conta a história de Sarah, uma órfã que cresceu com uma mãe e irmão adotivos. Ao que parece, Sarah sempre foi uma garota problemática se envolvendo com as pessoas erradas, por conta disso é impedida de recuperar a filha que mora com sua mãe adotiva, um dia, em uma estação de trem, ela vê uma mulher jogar-se na frente de um trem, mas o que a deixa assustada é o fato da suicida ser igual a ela. Apesar disso, Sarah ignora o fato de a desconhecida ser possivelmente algum familiar, tudo o que ela quer é assumir o lugar da desconhecida, que descobre ser a detetive Beth, e roubar todo o dinheiro que ela tem para fugir com a filha. Parece ser o plano perfeito se Beth também não tivesse seus problemas que incluem assassinos misteriosos e mais outras mulheres iguais a elas.
Não sei se deu para perceber pela tentativa de sinopse que fiz, mas Orphan Black tem muita ação e mistérios, o ritmo lembra filmes policiais, porém, o gênero dessa série é ficção científica.Sarah é um personagem de personalidade forte e corajosa, apesar de querer muito fugir com a filha, ela decide enfrentar as situações e mistérios que envolvem a própria vida para ser uma pessoa melhor para só então buscar a filha.
A primeira mulher idêntica que Sarah encontra é a detetive Beth, depois de um tempo ela conhece Alison, uma mãe do subúrbio que está sempre estressada com tudo e se preocupa muito em proteger seus filhos, em seguida aparece Cosima, uma estudante universitária de biologia evolutiva do desenvolvimento que é quem procura resolver os mistérios relacionados à genética dessas mulheres. No decorrer dos episódios outras "Sarahs" iguais em aparência, mas totalmente diferentes umas das outras vão aparecendo e trazendo mais peças para ajudar a montar o quebra-cabeça.
Além dessas mulheres há também outros personagens muitos fortes, seja pela possibilidade de estarem envolvidos nas experiências científicas realizadas com a protagonista, ou por trazerem um toque a mais para a série. Felix, por exemplo, é o irmão gay adotivo de Sarah. Ele é um pintor extravagante em tudo o que faz e traz um pouco de humor junto com a irmã já que os dois costumam ser muito sarcásticos. Felix é quem sempre ajuda Sarah em tudo que ela precisa e também parece ser tão problemático quanto ela. Quando ele descobre sem querer o segredo que a envolve, acaba se tornando importante na busca de resposta, pois está sempre disponível para ajudar.
Orphan Black já está na segunda temporada, mas eu ainda estou na primeira e já recomendo.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Frases: A Primeira Luz da Manhã - Thrity Umrigar


"Somos responsáveis por aqueles que amamos, percebo, e, se abdicamos dessa responsabilidade,
 não podemos afirmar que amamos."

"Todo mundo sabe que devoro livros como se fossem barras de chocolate, que adoro música. Ainda assim, nenhum adulto jamais me compra um livro ou um disco de presente. Aliás, talvez seja até bom que não me deem o tipo de presente que me agrada. Diante do pouco que conhecem do meu gosto, eu acabaria ganhando livros de poliéster e discos de gabardine."

"Meu amor é tão intenso e pesado que tem gosto de sangue. Ou de dor. Pelo resto da minha vida há de ser assim, esse amor intenso, essa dor intensa.”

" Seremos confidentes. Irei confortá-lo, aguentarei sua cruz, passarei décadas pedindo permissão ao universo para ser feliz em minha própria vida, diante da consciência que tenho do seu sofrimento."

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Filmes: Lançamentos em Agosto


Olá, gente. Lembra que no último post contei que organizei um calendário para o blog? Pois então, toda segunda-feira vou trazer posts relacionados a filmes, podem ser resenhas, novidades, lançamentos no cinema e etc. Hoje, como já está chegando o fim do mês, decidi trazer alguns lançamentos que estão previstos para o próximo mês. Já podem se programar para ir ao cinema, não é?!

Quarteto Fantástico

Estreia: 06/08
Sinopse: Quatro jovens excluídos que se teleportam para um universo alternativo e perigoso que alterna as suas formas físicas de maneiras surpreendentes. Com suas vidas irrevogavelmente abaladas, eles precisam aprender a aproveitar as suas novas habilidades e trabalhar juntos para salvar a Terra de um antigo amigo transformado em inimigo.

Love & Mercy

Estreia: 06/08
Sinopse: Brian Wilson (John Cusack) fundou os Beach Boys, uma das bandas mais populares do Estados Unidos nos anos 1960. Mas, ao longo de sua vida, luta com seus problemas mentais, enquanto dependente de uma série de drogas e se isola da sociedade. O Doutor Eugene Landy (Paul Giamatti) torna-se fundamental na recuperação de Brian, além da esposa do músico, Melinda Ledbetter (Elizabeth Banks), quem o ajudou a se reerguer.

A Escolha Perfeita 2

Estreia: 13/08
Sinopse: O grupo musical Barden Bellas está de volta! Desta vez as adolescentes, que mandam muito bem no coral a capela, têm muitos desafios pela frente numa competição mundial que nunca foi vencida pelos Estados Unidos.

O Pequeno Príncipe

Estreia: 20/08
Sinopse: Uma garota acaba de se mudar com a mãe, uma controladora obsessiva que deseja definir antecipadamente todos os passos da filha para que ela seja aprovada em uma escola conceituada. Entretanto, um acidente provocado por seu vizinho faz com que a hélice de um avião abra um enorme buraco em sua casa. Curiosa em saber como o objeto parou ali, ela decide investigar. Logo conhece e se torna amiga de seu novo vizinho, um senhor que lhe conta a história de um pequeno príncipe que vive em um asteróide com sua rosa e, um dia, encontrou um aviador perdido no deserto em plena Terra.

Hitman: Agent 47

Estreia: 27/08
Sinopse: Agente 47 (Rupert Friend) é um assassino de elite geneticamente modificado criado para ser a máquina de matar perfeita. Agora, ele precisa caçar uma mega operação que pretende usar o segredo de sua criação para a formação de um exército imbátivel. Ao juntar forças com uma misteriosa jovem, que pode ser o diferencial para o sucesso desta missão, ele vai descobrir segredos de sua origem em uma batlha épica contra sue maior inimigo.

O que acharam das estreias do mês de agosto? Eu garanto pelo menos O Pequeno Príncipe.
Amanhã é dia de falar um pouco sobre livros e, no sábado, terá uma novidade no blog então se quiserem acompanhar é só curtir a página Menina-Moça no facebook.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Playlist #14: Abertura de Séries

Antes de partir para a Playlist preciso assumir que ando muito relaxada com o blog, portanto criei uma programação para evitar que o Menina-Moça fique tanto tempo sem postagens. Além de resenhas e textos pretendo colocar algo novo no blog, mas deixarei isso um pouco mais para frente, também estou pensando em uma possível promoção para dar um up por aqui. Então, semana que vem, terão posts novos por aqui e tentarei ao máximo postar nos dias corretos.
Agora, partindo para a playlist, hoje decidi colocar algumas músicas que tocam em aberturas de séries, espero que curtam.

1.I Don't Want To Be - Gavin Degraw (One Tree Hill)

2.Secret - The Pierces (Pretty Little Liars)

3.California - Phantom Planet (The O.C)

4.I'll Be There For You - The Rembrandts (Friends)

5.Chalala - Blubell (Aline)

terça-feira, 14 de julho de 2015

O bêbado abandonado.


Nos bares da cidade você pode encontrar quase todo tipo de pessoas, grupos de amigos extraordinariamente alegres, solitários por opção, casais jovens e apaixonados, casais velhos e apaixonados, figuras estranhas que sempre estão com um ar de mistério, mulheres ou homens a procura de alguém... Enfim, há uma incontável variedade de indivíduos nesses bares. Quando se trabalha em um deles aprende-se um pouco sobre pessoas e até mesmo relacionamentos. Às vezes já sei aonde alguém irá sentar só de olhá-lo entrando pela porta, os mais festeiros gostam das mesas que ficam na calçada, os solitários abandonados preferem o balcão, assim, imagino que o homem que acaba de entrar irá escolher um dos muitos bancos vazios à minha frente.
Quando ele senta em um dos bancos ao balcão paro de organizar o lugar para atendê-lo.
- Boa noite. - cumprimento recebendo apenas um acena de cabeça.
O homem é relativamente alto, tem cabelos e olhos escuros e a barba falha dando sinais de que precisa ser feita, usa um terno amassado e a gravata está solta, esse tipo de aparência nunca é bom sinal e geralmente tem a ver com problemas financeiros ou mulher.
- Uma dose de Whisky, por favor, se gelo. - pede sem tirar os olhos do balcão.
- Alguma preferência? - pergunto me dirigindo às bebidas.
- Tanto faz.
Pego a primeira garrafa de Whisky que encontro e coloco uma dose como pedido.
Como imagino, a primeira dose vem seguida de muitas outras que parecem nunca ter uma última e, logo, inicia-se uma conversa por parte dele.
- Você tem um relacionamento?
- Não tenho muito tempo pra essas coisas. - afirmo enquanto confiro o que precisa comprar para amanhã.
- Sério? Achei que trabalhar aqui ajudaria a conhecer pessoas. - diz um pouco grogue.
- É, mas eu prefiro não ter nada sério, sabe como é.
- É, eu sei como é. - afirma emburrado. - É uma merda.
- Aí é você que ta dizendo. - olho de esguelha para a garrafa verificando o quanto ele já bebeu.
- Relacionamentos são uma merda. Pessoas são uma merda, elas são egoístas, só pensam em si, não ligam pro outro, só querem e querem e pra elas que se foda se você tem uma vida... Porque eu tenho uma vida sabe?! Eu tenho um trabalho e ressspon responzalidades.
- Responsabilidades? - corrijo.
- Isso aí.
Ele pede mais uma dose e sirvo-lhe já começando a pensar que talvez seja hora de convencê-lo a parar e pegar um táxi para voltar para casa, se tem uma coisa que o patrão não quer é outro descontrolado entrando em coma alcoólico aqui. Isso aconteceu uma vez e não foi nada bom uma ambulância parada em frente ao bar e atrapalhando os demais clientes por irresponsabilidade alheia. Desde então os funcionários são responsáveis por parar certos clientes.
- Sua namorada te deixou? - pergunto por sentir a curiosidade atiçando.
- Minha esposa. - responde amargurado.
- Parece muito jovem para ser casado.
- Eu fui casado, eu fui. Não sou mais. Porque ela me deixou, ela não me entendia.
Vejo que ele segura o choro como uma criança e nunca olha em minha direção.
- Acho que é isso, sabe?! A idade. Duas crrrianças burras. Eu, ela e todo mundo que deixou isso.
- Acha mesmo?
- Você não acha?
Penso um pouco sobre a pergunta, esse negócio de romantismo nunca foi muito meu forte, mas já conheci casais de todos os tipo cometendo as maiores loucuras independente de idade e se tem uma coisa que posso tirar disso tudo é que não existe uma fórmula.
- Não, acho que quando é pra ser só é. Não tem regra.
- Acho que essa era a regra pra mim. - ele diz pensativo me olhando pela primeira vez. - Você é legal. Vê mais uma.
Ele me estende o copo, mas, ao invés de enchê-la novamente, eu apenas coloco o copo da pia e passo o valor gasto pelo cara.
- Já chega. Ta aqui a conta e, se quiser, pode chamar um táxi no telefone do bar.
Ele tira algumas notas do bolso e coloca no balcão dizendo que posso ficar com o troco já que agora não tem uma casa para sustentar e está morando no antigo quarto na casa dos pais.
- E o táxi? - pergunto depois que ele já virou as costas. - Não pode dirigir assim.
- Eu vou andando, o carro ficou com minha esposa, ex, tenho que lembrar disso, ex.
Volto para meus afazeres enquanto o homem cruza a porta para sair e cruza com um jovem casal que está entrando.
Aposto que irão procurar o canto mais reservado que tiver.


quinta-feira, 2 de julho de 2015

Lançamento Minha Vida Fora de Série 3ªTemporada


No dia 29 teve o lançamento do livro Minha Vida Fora de Série 3ª Temporada da Paula Pimenta, claro que eu não podia perder. Para quem não sabe, Paula Pimenta é autora também da série Fazendo Meu Filme e foi a partir de uma personagem desse livro, a Priscila, que surgiu essa nova série de livros. Confesso que ainda não li o Fazendo Meu Filme, mas pretendo um dia ainda ler, pois adoro o estilo de escrita da Paula Pimenta.
Então vou contar um pouco como foi esse evento.
O lançamento aconteceu na Livrarias Curitiba, e como eu sempre pego a programação quando passo por lá, vi sobre o evento que estava em destaque no livrinho. Como eram apenas 400 senhas para autógrafo, cheguei no horário em que dizia que iam começar a entregar, às 15h, e ainda assim peguei o número 220 (#chateada) porque tinha realmente muita gente, parece que tinham pessoas lá desde às 13h apesar do evento só começar mesmo às 18h, quem chegou em cima da hora nem conseguiu mais senha.
Fui dar uma volta pelo shopping achando que tudo bem voltar um pouco antes do início, engano meu. Voltei para a livraria uma hora antes e tive que procurar um beco do qual conseguisse ver a mesa onde a Paula ficaria, mas ainda consegui me infiltrar no meio do povo. Quando ela chegou foi a maior gritaria e um trabalho para que o público se acalmasse para começarem as perguntas.
A Paula Pimenta foi uma fofa como nos dois lançamentos anteriores dos quais participei. Foram feitas perguntas principalmente sobre os próximos projetos. Ainda dentro do grupinho da Fani e Priscila, Paula contou que está escrevendo um sobre a Cecília e pretende escrever ainda mais um de algum dos personagens dos livros, mas não está decidido qual.
MVFS terá uma 4ª temporada, mas só para o ano que vem porque esse ano teremos o lançamento de um livro em parceria com a Thalita Rebouças, Bruna Vieira e Babi Dewet que terá como ideia central romances que acontecem durante uma das quatro estações, a Paula ficou com o inverno, então espero que tenha lançamento com as quatro por aqui também.

A autora também comentou sobre a possibilidade do FMF virar filme, sendo que os direitos para isso já foram vendidos, porém não há previsão. No caso de MVFS estão tentando adaptar para uma peça, porém não há nada certo por enquanto.

Ao fim das perguntas, ela distribuiu autógrafos e tirou fotos com os fãs.
Foi a terceira vez que participei de um lançamento dela e tanto com o público quanto pessoalmente a autora é muito querida e fofa.
Quem ainda não conhece seu trabalho, está aí uma indicação.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Antologia Legado de Sangue.

Olá, gente. Hoje decidi divulgar a primeira antologia da qual estou participando. Legado de Sangue é um livro de contos sobrenaturais, de suspense e de terror, lançado pela Andross Editora.
O meu conto que está presente no livro é o Little Mary, que na verdade é o primeiro conto que escrevo nessa linha, mas há também vários outros contos de autores iniciantes e outros que já possuem um currículo no mercado editorial.

Sinopse: Poe, Lovecraft, Shelley, Stoker e outras lendas da literatura de horror não produziram só histórias para assustar. Esses mestres criaram formas de prender o leitor em pesadelos escritos, habitados pelos monstros mais horrendos que uma mente pode conceber. Inspirados nessa herança literária, os autores de “Legado de Sangue” se propuseram a continuar a tradição e criaram contos que surpreendem e assustam tanto quanto um ser que espreita na escuridão, esperando por sua vítima.

Mas para quem não curte muito terror, também pode adquirir a antologia de poesias na qual o Adalberto Hoch está participando, se quiserem ver como ele é um ótimo poeta é só visitar o blog Martins, Hoch no qual ele publica algumas de suas lindas poesias.

Sinopse:  Há aqueles que sentem solidão no inverno, enquanto outros aproveitam a companhia e um bom conhaque. Também existem os que se deixam cortar para renascerem com as flores da primavera. Não são poucos os que esperam o ano todo pela alegria do verão. E o outono, junto com os frutos e Folhas secas, traz ainda momentos de reflexão. As quatro estações provocam sentimentos, suscitam palavras, afloram desejos... Os poemas deste livro são frutos de reflexões de poetas, que não apenas grafaram alegrias da vida, mas também a tristeza da solidão que só quem ama sozinho é capaz de sentir.

Quem tiver interesse em algum dos dois é só entrar em contato aqui no blog ou pelo facebook, o valor é de R$ 25,00 cada.